Money Mulher na Expo Money Rio – 2010

Mulheres que querem fazer melhor com seu dinheiro, visitem a Expo Money Rio nos dias 10 e 11 de novembro, no Centro de Convenções SulAmérica.
Venham nos encontrar no espaço Money Mulher.

Para mais informações acesse o site, clique aqui.

Anúncios
Publicado em Sugestão | Deixe um comentário

Mulheres Poderosas

Leia e inspire-se nessas mulheres. Clique aqui.

Publicado em Sugestão | Deixe um comentário

Dilema de mulher com dinheiro

Dinheiro na mão e liquidação; tem combinação para deixar a mulher mais em dúvida? Qual seria o final dessa história se fosse você a protagonista?

Publicado em Reflexão | Deixe um comentário

Homens que me desculpem!

Hoje me inspirei na história do investidor relatada no caderno EU&Investimentos do jornal Valor Econômico. Se é que podemos chamá-lo de investidor, pois pelo que aconteceu, me parece que ele não tinha a mínima informação sobre como investir em ações.
O sujeito comprou BDRs da LAEP/Parmalat porque estavam entre as mais negociadas do mercado. Viu o papel desvalorizar 36%, realizou o prejuízo e ainda disse que o corretor deveria ter lhe informado dos riscos. Francamente! Se fosse há dez anos atrás, seria até compreensível.

Para começar, o que é uma BDR?
Brazilian Depositary Receipts, são certificados de depósito, emitidos e negociados no Brasil, com lastro em valores mobiliários de emissão de companhias estrangeiras. Em geral, são negociados por instituições financeiras e fundos de investimento. Administradores de carteira e consultores de valores mobiliários autorizados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) também podem operar com recursos próprios.
Assim sendo, comprar BDR não é para quem está começando. Supõe-se que quem compra um papel dessa categoria, sabe o que está fazendo. Então, não faz o menor sentido esse investidor dizer que deveria ter sido informado dos riscos. Será que ele perguntou? Ou se fez de entendido?

Especular
Comprar o papel porque estava entre os mais negociados, não é informação suficiente para quem quer investir. É suficiente para quem quer especular. Há uma lista grande de números e indicadores que devemos analisar antes de dar uma ordem de compra, entre eles: crescimento de vendas e lucros, potencial de expansão e crescimento, grau de endividamento e política de distribuição de dividendos. O fato da instituição não fazer a cobertura já é uma luz vermelha.

Se o “investidor” tivesse procurado informações sobre a empresa, trocado ideias com amigos ou colegas de trabalho ou perguntado a profissionais do mercado, saberia que ela estava em recuperação judicial, que tinha dívidas e que o setor de leite está em dificuldades. Se mesmo assim decidisse comprar o papel, só poderia estar especulando. Esperando algum evento que fizesse o preço da ação disparar, como uma consolidação no setor.

Dinheiro para arriscar
Ninguém gosta de perder dinheiro. Mas quem entra no mercado deve limitar o quanto quer perder; ou investindo apenas um valor que não seja para honrar compromissos no curto prazo ou colocando uma ordem de stop loss.

Desculpem-me mesmo, mas não consigo entender uma história como essa. É por esse e outros, que tanta gente fica com medo de investir em ações.

Publicado em Minha opinião | 2 Comentários

Participação no programa Elas e Lucros

Adorei a experiência de participar da gravação do programa da Andréa Assef, com produção impecável da Rosângela Silva que foi ao ar na quarta-feira (30). Também participaram desse programa Inês Bozzini, Augusto Sabóia, Fernanda Guimarães e Vagner Menses Pereira, o Fly.

Para ouvir, clique aqui.

Publicado em Sugestão | Deixe um comentário

Anos melhores para o Brasil

Às vezes penso que estou nesse mercado porque sou otimista demais. Sempre vejo o lado bom das coisas. Mas tenho de confessar a vocês, que no pior momento da crise financeira de 2008, senti medo. Por alguns momentos, meu otimismo deu a mão ao meu ser racional e saíram para um passeio, não sei aonde.

Hoje eu nem acredito que cheguei a cogitar a possibilidade das perdas não serem recuperadas nessa vida. Talvez, por nunca ter experimentado uma crise de tamanha proporção.

Claro que as minhas perdas pessoais me preocupavam, mas sentia ainda mais as perdas daquelas que eu incentivei a investir. Sentia-me, de certa forma, responsável por essas pessoas. O que eu diria a elas que tanto confiaram em mim? Não conseguia elaborar nenhuma explicação para confortá-las. Depositei minhas esperanças na literatura sobre a depressão de 29 e foi o que me trouxe de volta a confiança que essa crise também passaria, como todas as outras passaram.

Hoje, algumas ainda amargam um prejuízo. No entanto, as teorias e os modelos de finanças fazem sentido novamente. Manter os investimentos que tenham bons fundamentos é a melhor estratégia para reverter prejuízo em ganho. Para conseguir bons retornos é preciso conviver com alguns momentos de incertezas e perdas e, principalmente, ter horizonte de longo prazo.

“Mercados de capitais podem se recuperar rapidamente de crises. O PIB também pode se recuperar rapidamente, mas empregos e preços de moradia são indicadores que demoram a mostrar sinais de melhoria. Seus ciclos são muito mais longos.” (Do best seller “Oito Séculos de Delírio Financeiro” de Carmen Reinhart e Kenneth Rofogg, Ed. Campus.)

O cenário nos Estados Unidos ainda é nublado. Bem possível que a economia do país continue enfraquecida por mais tempo do que imaginávamos. Na Europa, também. Porém, no Brasil, o nível de desemprego em 6,7%, menor número da série desde o início em 2002, o aumento de renda e a disponibilidade do crédito, melhoram nossa qualidade de vida. Passamos a consumir mais. A Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) projetou financiamento de 450 mil unidades em 2010. Entre janeiro e junho foram financiadas 187,6 mil unidades, indicando expansão de 51,5% na mesma base de comparação. Nossas empresas apresentaram bons resultados nos últimos trimestres e segundo a UNCTAD (órgão da ONU), o Brasil é o 3º mercado mais interessante para investir por parte das multinacionais, atrás de China e Índia e a frente dos EUA e Rússia.

O Brasil é a aposta da vez na economia mundial. Que os próximos anos serão melhores, há poucas dúvidas, apenas a preocupação por conta da dívida pública crescente.

Teremos momentos de realização, a situação dos EUA e da Europa ainda vão refletir por aqui, entre outros eventos que farão o mercado oscilar. Mas para um horizonte de longo prazo, podemos esperar bons retornos.

Publicado em Minha opinião | Deixe um comentário

Mulheres Alfa

Quer saber mais sobre mulheres e dinheiro? Ouça o que as especialistas dizem a respeito no podcast da Época Negócios, clique aqui.

Publicado em Sugestão | Marcado com | Deixe um comentário