Avaliação de 2011 e Estratégias para 2012

Mais uma vez é chegada a hora de avaliar os investimentos do ano que passou e definir uma estratégia para o novo ano.

Em 2011 nossa taxa de juros chegou a 12,75%, mas fechou o ano em 11%, ainda ocupando o posto de mais alta dentre as maiores economias do mundo. Mesmo assim, foi o dólar que mais se valorizou, subindo 12,58%.

O gosto amargo de crise já dura quatro anos e o dólar volta a se destacar entre as melhores aplicações. Embora a nossa taxa de juros seja muito atraente para os investidores estrangeiros em busca de maiores retornos – o que daria mais força para nossa moeda, as incertezas do cenário global deixaram os investidores com maior aversão às perdas, buscando segurança no dólar e fazendo elevar sua cotação.

Na ponta oposta do ranking dos investimentos de 2011, a pior rentabilidade ficou com o índice da Bolsa de Valores de São Paulo, o Ibovespa, com queda de 18,11%. Mas ao mesmo tempo em que Petrobras caiu 18%, Vale 16% e Itaú 10%, Cielo e Redecard subiram mais de 50% e Ambev e Brasil Foods, mais de 30%. Foi um ano bom para as ações de consumo interno, varejo e serviços, mas ruim para exportadores de commodities e bancos.

O consumo interno aquecido e o aumento da massa salarial elevaram a inflação para o limite superior da meta do governo, que é 6,5%.
A caderneta de poupança subiu 7,45%.

Apesar do cenário econômico conturbado, quem pesquisou, correu atrás e não deixou o dinheiro parado, conseguiu valorizar o patrimônio investido, isto é, superar a inflação, mesmo depois de diminuir o que é devido de imposto de renda.

Apresentaram boa rentabilidade os Fundos que apostaram na queda da taxa de juros e na alta da inflação. Ganharam ainda mais os Fundos que investem em dólar e apostaram na alta da moeda. Alguns Fundos de Ações e Fundos que investem uma parcela dos recursos no mercado acionário, se destacaram no ranking dos investimentos de 2012, pois acertaram na escolha das ações. Independentemente do cenário econômico, há sempre boas oportunidades de investimentos em bolsa.

E em 2012? Onde investir?
Como a taxa de juros deve continuar caindo e a inflação é uma preocupação, até preservar o capital será uma tarefa mais difícil nesse ano. Preservação de capital significa manter o poder de compra do dinheiro investido ou não deixar a inflação corroê-lo.

As variáveis econômicas globais apontam para um ano de crescimento menor e com muitos eventos políticos. Por isso, diversificação eficiente e horizonte de longo prazo é uma boa combinação para lucrar e minimizar os riscos. Investir em Fundos é uma boa pedida.

Anúncios
Publicado em Informação, Minha opinião, Sugestão | 1 Comentário

Órama quer abrir portas de grandes gestores a investidor – Valor

Angelo Pavini | De São Paulo

Quem sempre ouviu falar dos gestores mais badalados do mercado, mas nunca teve condições de aplicar nesses fundos, tem uma chance a partir de hoje. A Órama Investimentos vai oferecer aplicações em cinco carteiras de ações e 13 de multimercados de casas famosas com Gávea, JGP, BTG Pactual, BBM, Opportunity ou IP a partir de R$ 5 mil pela internet. Se fosse aplicar diretamente em todas as carteiras, o investidor precisaria de R$ 1,420 milhão, já que a média para investir nessas carteiras é de R$ 50 mil. No Gávea e no JGP, são R$ 300 mil. Pela Órama, bastarão R$ 90 mil para ter todos.

A proposta é dar ao varejo acesso a fundos antes limitados aos milionários clientes de private banks, diz Guilherme Horn, sócio da Órama, empresa formada pelos ex-fundadores da corretora Ágora, vendida ao Bradesco em 2008. A Órama, uma distribuidora de valores, nasce com a proposta de democratizar os fundos de investimento. "Já fizemos isso com ações na Ágora", diz Horn.

Além de permitir a aplicação com um valor mais baixo, a Órama quer também oferecer serviços que auxiliem o investidor na escolha. Para isso, terá um sistema que ajudará o investidor a definir seu perfil de risco e, a partir desse perfil, indicará uma lista com três ou quatro fundos. O sistema fará seis perguntas como o apetite por risco, o tempo de aplicação estimado, a necessidade de liquidez e a rentabilidade desejada e dará automaticamente as sugestões. "Quem tiver R$ 20 mil poderá aplicar nas quatro opções e formar sua carteira", afirma Horn.

Além disso, contará com conteúdo educacional para o investidor menos experiente e explicações detalhadas sobre cada tipo de fundo. "Temos dez anos de experiência, desde a Ágora, em educar investidores", diz Horn.

A Órama representa uma novidade em um setor concentrado em bancos, que acabam oferecendo as carteiras mais sofisticadas apenas aos grandes clientes. "Com isso, os gestores independentes não conseguem chegar ao varejo, pois não contam com uma estrutura pulverizada de distribuição, enquanto o investidor menor não tem acesso aos melhores fundos do mercado", afirma Horn, que é também sócio da Personale Investimentos, empresa de gestão dos ex-sócios da Ágora – entre eles Selmo Nissenbaum, antigo controlador da corretora. Ele explica que a Órama não distribuirá nenhum fundo da Personale.

O foco inicial será em fundos multimercados e de ações. A Órama terá um fundo de cotas para cada carteira alvo. O investidor comprará contas desse fundo de cotas, que aplicará na carteira do Gávea, JGP ou BNY Mellon Arx. O fundo de cotas cobrará 0,6% ao ano de taxa de administração, que se somará à dos fundos-alvo – em geral de 2% ao ano mais taxa de performance. Cada fundo replicará também as condições de carência para resgate ou taxas de entrada ou saída das carteiras originais. "Isso elimina o risco de descasamento do fundo de cotas", explica Horn.

A Órama receberá também uma parcela da taxa de adminstração do fundo, o chamado "rebate", afirma Horn. "Mas não será isso que orientará nossa oferta para o cliente", diz. Para isso, um comitê analisará mensalmente as carteiras do mercado em busca das melhores opções de cada categoria. A partir dessa análise, elas poderão entrar na lista de sugestões da casa.

Haverá apenas uma carteira de renda fixa para o investidor deixar o dinheiro até decidir onde investir, também com taxa de administração de 0,6% ao ano. Mais adiante, a gestora pretende ampliar para outras estratégias, como renda fixa crédito e fundos de previdência.

Outra novidade serão vídeos com representantes de todos os gestores de fundos, em que eles explicam de maneira didática como funciona cada carteira. Além disso, uma vez por mês, os gestores comentarão em vídeo os resultados dos fundos e as mudanças nas carteiras. "Será uma carta mensal virtual, de no máximo 3 minutos, falando por que o fundo foi bem ou não foi e qual expectativa para o mês seguinte", diz. O projeto é criar um canal, a TV Órama, a exemplo da TV Ágora, pioneira no mercado de corretoras. "Vamos mostrar quem faz a gestão, como faz, não é como nos grandes bancos, onde não se sabe quem é o gestor", diz. "Queremos aumentar a transparência das informações".

O sistema permitirá ainda comparar as carteiras listadas e, mais adiante, as demais do mercado. "Teremos também um sistema de suporte, por telefone e por chat, para responder perguntas e as mais comuns serão colocadas no site com as respostas", diz Horn.

A expectativa da Órama é chegar a 20 mil clientes com uma aplicação média de R$ 10 mil e um patrimônio total de R$ 200 milhões no primeiro ano. "Nosso desafio será construir a marca e ganhar a confiança do mercado", admite Horn. "Foi assim com a Ágora em 2000, quando começamos a oferecer home broker, todos falavam se alguém ia por dinheiro numa empresa online e terminamos como a maior corretora do mercado", diz.

Por isso, os sócios decidiram começar a empresa tendo como base uma distribuidora de valores, uma instituição financeira com patrimônio e regulada pelo Banco Central. "O cliente faz seu cadastro conosco e transfere o dinheiro do banco para a Órama e então opera via internet", diz. Uma vantagem é que, uma vez feito o cadastro, o investidor pode trocar de fundo à vontade em um único ambiente. "Se fosse aplicar direto, seria preciso um cadastro para cada fundo." Além disso, o investidor poderá compensar as perdas entre os fundos com seus ganhos, já que o administrador é o mesmo.

O modelo da Órama é a gigante americana Fidelity, que distribui mais de 4 mil fundos. "Mas sabemos que são modelos muito diferentes", admite Horn, lembrando que nos Estados Unidos os bancos têm um papel menor na distribuição de fundos e as empresas independentes é que dominam o mercado, ao contrário do Brasil.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Mulheres em Ação na Revista RI

Revista RI - Relação com Investidores

Publicado em Clippings | 1 Comentário

Resultado Oferta Publica Arezzo

O processo de bookbuilding da oferta de ações da Arezzo Indústria e Comércio S.A. realizado no dia 31/01/2011, fixou o preço em R$ 19,00 por ação. Os pedidos de reserva dos investidores não institucionais foram atendidos integralmente até o valor de R$ 4.826,00, que equivalem a 254 ações. As reservas de investidores não institucionais que superaram este valor foram atendidas somente até ao valor financeiro definido anteriormente. As “Pessoas Vinculadas” foram excluídas da oferta. As informações sobre o resultado da alocação por investidor encontram-se no arquivo CRCA de cada Instituição Participante. A liquidação ocorrerá no dia 04/02/2011.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Elas estão bem mais ousadas – ISTOÉ Dinheiro

Clique aqui.

Publicado em Sugestão | Deixe um comentário

A Carta da CLAUDIA

Veja a carta entregue à presidente Dilma no dia 20 de janeiro em Brasília com 47 páginas contendod reflexões e sugestões de muitas leitoras e colaboradoras da Revista Claudia em 12 áreas importantes para o desenvolvimento da mulher no país. Clique aqui.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Feliz Ano Novo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário